Preparação do Peregrino a pé

Convide a um amigo a visitar este site
 
11- BOTAS OU TÊNIS
Walter Jorge
O CALÇADO, é a peça fundamental dos equipamentos. Nunca, nunca use calçado novo para estrear no Caminho, está é a melhor garantia de voltar rapidamente para casa. Devemos levar um já amaciado e cômodo, um já utilizado anteriormente nas suas caminhadas. Se forem novos, deveremos andar muitos quilômetros com eles antes da peregrinação, procurando verificar e corrigir alguns problemas se aparecerem.

Alguém perguntou o que era melhor para efetuar-se a peregrinação, se botas ou tênis.

Esse é um assunto bastante controvertido, a peregrinação pode ser efetuada com qualquer tipo de calçado. Se um dos nossos caboclos do interior do nordeste, acostumado a andar léguas e léguas a pé, fosse efetuar a peregrinação, lógico que ele iria com os pés descalços.

Existem vantagens e desvantagens em todo o tipo de calçado:
- a bota é pesada o tênis é mais leve;
- a sola da bota é mais rígida do que a do tênis e como conseqüência dar uma maior aderência de impacto e quando estamos em solos irregulares e pedregosos, evita o cansaço excessivo da planta dos pés;
- em terreno lamacentos o tênis adere ao barro podendo sair dos pés;
- a boa bota do tipo "trekking", são impermeáveis e permite a transpiração dos pés e tem a vantagem de evitar torcer o pé quando de uma pisada em falso, quanto ao tênis, até agora não encontramos um que se diga impermeável;
- quanto a qualidade, existe o bom tênis do tipo abotinado, o "NikeAir" e a boa bota de "trakking" da "San Marcos", possuindo membrana de "Gore-tex", (o que a torna impermeável e permite a transpiração dos pés).

Conversamos com quem foi de botas e com quem foi de tênis, cada um tem sua opinião favorável. Um futuro peregrino (73 anos - não o foi porque teve de efetuar uma operação no menisco - está atualmente fazendo fisioterapia), caminha com sandalhas do tipo Franciscana e iria com elas. Em um documentário da TV alemã que foi gravado por ocasião dos festejos do dia 25 de julho de 1999 (Ano Santo Jacobeo), tinha um alemão andando de sandalhas com meias. Uma peregrina brasileira, teve suas botas já amaciadas extraviada, somente tomando conhecimento de tal fato quando do início de sua peregrinação, não tendo como contornar o problema, efetuou seu Caminho com as sandalhas que tinha levado para usar nos albergues. Por aí vocês podem verificar a diversidade de opiniões.

A questão do surgimento de bolhas nos pés devido ao tipo de calçado usado, é também muito relativa, tanto as botas como os tênis, podem trazer bolhas para o usuário. Um peregrino conhecido, efetuou o caminho em 21 dias, usou botas da "Sanmarcos" e não teve nada, nem bolhas e nem tendinite. Não adianta ser a bota ou tênis mais sofisticada, se eles não estiverem bem ajustados é problema na certa.

A Baby Consuêlo no seu livro recomenda: "andar uma hora e parar por 15 minutos para descansar os pés". O nosso amigo Máqui no seu livro informa: "defendo com unhas e dentes a opinião de que você deve estar usando botas especiais para caminhadas, conhecidas pelo pomposo título de botas de Trekking".

Se me perguntarem: e você, foi com que tipo de calçado?

Eu respondo: as botas que utilizei foi da "Sanmarcos", possui cano alto para proteger os tornozelos, e foram amaciada com mais de 300 km de caminhadas aqui no Brasil em todos os tipos de terrenos, com e sem chuvas - Tudo correu OK, nem bolhas nem nada. Durante a minha peregrinação comportou-se maravilhosamente bem sem trazer-me nenhum problema. Posteriormente as mesmas foram utilizadas para efetuar uma nova caminhada, a das "Missões", no interior do Rio Grande do Sul, comportou-se bem, não tive nem bolhas e nem tendinites.

Apenas digo, os pés é uma das partes importantíssima junto ao calçado na peregrinação, trate-o bem, qualquer sintoma diferente, PARE, PARE MESMO, NÃO DÊ NEM MAIS UM PASSO, tire o calçado e verifique o motivo, uma meia úmida, mal colocada, enrugada, pode gerar uma bolha, a mesma pode sangrar e a peregrinação abortar.

Mais uma vez transcrevendo o Máqui: "Os pés são os melhores amigos do peregrino. Cuidar deles não é só obrigação, mas também uma questão de respeito." (O grifo é nosso).

Vejamos o que informa o Dr. Renato Aizenman que escreve artigos intitulados "Caminhar" para o Jornal do Brasil:

"Bolhas e Calos são resultado de uma fricção contínua da pele do pé com o tecido do calçado. Portanto, na grande maioria dos casos o tênis é o vilão da história. E as mulheres as maiores vítimas. "Os tênis vendido aqui, tantos os importados como os brasileiros, são feitos a partir de um molde que não é o padrão da mulher brasileira", diz Furtado (Carlos Furtado, podólogo, que dirige uma das maiores clínicas especializada do RIO). Os tênis são estreito e longos, enquanto o pé da brasileira é mais curto e largo. Para piorar, a vaidade muitas vezes a faz escolher um número menor que o correto. Para evitar problemas é preciso checar na hora da compra se o tênis é confortável na largura e no comprimento, e se sua sola é flexível. "É besteira suportar o desconforto achando que o tênis vai se moldar ao pé. Não é o calçado que alarga, é o pé que acaba se espremendo", diz o podólogo.

Ao comprar o seu calçado para efetuar sua peregrinação, seja ele botas ou tênis, devemos levar em consideração também o espaço necessário para as meias grossas bem como tomar cuidado com determinados itens, vejamos o que nos diz do Dr. Renato Aizenman sobre o assunto:

"Reentrâncias - Na área de contato com o chão, para evitar escorregões.
"Bastante espaço interno na altura dos dedos - Para permitir o movimento de flexão e impulso necessário à caminhada.
"Altura um pouco maior no calcanhar - Se a elevação for muito grande poderá comprometer a estabilidade ao caminhar.
"Espuma ou outro material capaz de absorver choques - A cada passo que damos ao caminhar, nosso pé recebe uma carga equivalente a uma vez e meia o peso do corpo. Sem amortecimento, este choque pode causar dores e até mesmo lesões.
"Flexibilidade na altura em que começam os dedos, na parte mais larga do tênis - Não no meio, como em muitos modelos.
"Número - Não se prenda ao número do tênis que sempre usou. O tamanho de pé muda com fatores como idade, peso e gravidez. Mesmo exibindo o mesmo número, tênis podem variar de tamanho dependendo da marca e modelo. Quem tem um pé maior ou mais largo que o outro deve se guiar pelo maior. Mulheres não devem deixar a vaidade impulsioná-las a comprar um tamanho menos do que o correto.
"Formato - Quem tem pés mais finos e sentir que há folgas dos lados deve optar por outra marca ou modelo em vez de levar um número menor.
"Dedos - Certifique-se que os dedos conseguem se mexer sem problemas. Entre a ponta do seu dedo mais longo e o fim do tênis o espaço deve ser da largura do seu polegar.
"Calcanhar - Deve estar justo. Se na loja ele deslizar para fora, vai ocorrer o mesmo durante a caminhada.
"Acabamento - Cheque muito bem a pintura e as costuras. Falhas nestes pontos indicam marca de baixa qualidade ou falsificação."

Para aqueles que tiveram o cuidado de ler, apenas digo: PENSE NO QUE É MELHOR PARA OS SEUS PÉS.

 
Parte integrante do site Caminho de Santiago de Compostela - O Portal Peregrino
Copyright  1996-2003